Qual a profissão que ganha mais dinheiro?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Algumas pessoas escolhem uma carreira considerando a remuneração e esse, de fato, é um critério importante para tomar a decisão. O grande problema está quando uma pessoa escolhe a profissão baseada EXCLUSIVAMENTE nisso.

Eu ouço muitas clientes falarem: eu escolhi a carreira X porque ela “dá dinheiro”. Será que essa estratégia realmente funciona?

Bom, nem sempre a pessoa que faz o melhor trabalho é a pessoa que ganha mais dinheiro. O mercado analisa outras coisas além da “qualidade do trabalho”. 

E, além disso, a pessoa que ganha mais dinheiro nem sempre é aquela que tem a melhor vida financeira. Afinal, o que você faz com o dinheiro que recebe faz muita diferença. 

Troque GANHAR dinheiro por FAZER dinheiro

Se você ainda não ganhou na loteria nem recebeu uma grande herança, é bem provável que sua carreira seja sua principal fonte de renda. Por esse motivo, não acredito que nenhuma carreira “dá dinheiro”, mas você deve aprender a FAZER dinheiro por meio da sua profissão.

Acredite: um verbo faz muita diferença. “Ganhar” nos dá uma sensação de passividade, enquanto “fazer” te coloca em uma posição mais ativa. Inclusive, em inglês, esses verbos são diferentes…

  • Ganhar na loteria = WIN the lottery
  • Ganhar dinheiro = MAKE money 

Você já se perguntou como um profissional é remunerado pelo mercado? Em nosso sistema tradicional, acreditamos que o salário seja o valor pago pelo tempo que o profissional coloca à disposição de quem o contratou, mas esse pensamento está passando por uma transição.

Hoje sabemos que o profissional é pago, principalmente, pelo valor que ele gera para o mercado. Assim, escolher a profissão pensando na área que “dá mais dinheiro” não é a melhor estratégia para ter sucesso financeiro na carreira.

Escolher a profissão de acordo com o dinheiro funciona? 

Uma vez recebi uma mensagem de uma seguidora falando que escolheu ir para área de TI (Tecnologia da Informação), pois era uma área que pagava bem e estava em ascensão no mercado. O grande detalhe era que ela odiava TI. Acontece que se você for uma profissional mediana, ainda que você escolha por uma profissão que está em ascensão, provavelmente você não  terá um grande potencial financeiro.

Ao escolher uma área que você não gosta, não se identifica e/ou não performa bem, apenas porque ela “dá dinheiro”, você vai terminar sem dinheiro, pois aquela área vai pagar bem para os profissionais que fazem um bom trabalho. Se você não gosta do que faz, há uma maior probabilidade de você não atuar tão bem e se destacar. 

É fato que algumas áreas são mais prósperas e têm maior probabilidade do profissional FAZER mais dinheiro, enquanto outras têm menor probabilidade (vamos falar disso mais em baixo!). Mas a verdade é que até nas áreas muito prósperas é necessário fazer um excelente trabalho para fazer dinheiro.

Pensando nisso, talvez seja mais estratégico financeiramente escolher uma área mais competitiva ou com menos oportunidades, mas que te interesse TANTO, a ponto de que você esteja disposta a fazer um trabalho TOTALMENTE acima da média, assim, se destacando. Desta forma, você conseguirá gerar o seu valor e ser bem paga por isso.

Perguntas importantes na hora de escolher 

Te proponho que no lugar de pensar em uma carreira que pague bem, você se faça algumas perguntas que te levem a uma escolha mais inteligente.

  • Como as carreiras A, B e C funcionam?
  • Dentro dessa carreira, quais são as possíveis atuações?
  • Quais são os caminhos mais rentáveis?
  • O que esse mercado mais valoriza?
  • Quem são minhas referências de sucesso nessa carreira?
  • O que elas fizeram para chegar onde estão?
  • Como seria meu desempenho nessa carreira?
  • O quanto eu estou disposta a arriscar dentro dessa carreira?
  • O quanto eu vou conseguir me destacar nessa carreira? 

Essas perguntas te ajudam a investigar se realmente a área que você pensa em seguir será uma área próspera para VOCÊ.

Muitas vezes temos uma visão idealizada de uma profissão e escolhemos baseadas em crenças falsas. Então, investigue profundamente a carreira e, se puder, converse com uma profissional da área para tirar todas as suas dúvidas.

Eu sei que são muitas perguntas para pensar de uma única vez, então se precisar de ajuda para organizar as ideias assiste esse vídeo.

7 atitudes para fazer mais dinheiro na carreira: 

1. Tomar decisões de carreira (e revisar com o tempo) – Você não fará mais dinheiro se continuar indecisa e sem ter um objetivo para perseguir. Você será recompensada financeiramente de acordo com as escolhas que você fizer e os desafios que você assumir. Então, recomendo que você revise sua situação profissional de tempos em tempos e se pergunte quais são meus próximos passos profissionais.

2. Definir uma estratégia de médio e longo prazo – o agora vai passar e o futuro vai chegar. Então, pense também na perspectiva de futuro. Nem sempre ganhar mais hoje vai valer a pena quando comparado a uma estratégia que considere o futuro.

3. Encontrar formas (alternativas) de monetizar no curto prazo, dentro da sua profissão (preferencialmente) ou não. Use sua criatividade!

4. Assumir riscos calculados e embarcar em novos desafios – Não há recompensa sem riscos. Assim como no mercado financeiro, quanto maior o risco, maior será a POSSIBILIDADE de recompensa na sua carreira. Isso não quer dizer que você deva ser inconsequente! Você deve planejar e calcular os riscos para saber quais valem a pena.

Contudo, grande parte dos riscos que acreditamos existir são criados por mecanismos de defesa do nosso cérebro buscando nos proteger de possíveis imprevistos. Sendo o risco real, busque alternativas, assim, caso venha a acontecer o risco estará calculado. 

5. Se atualizar das tendências e se adaptar  – Isso pode ser óbvio para algumas carreiras, como as áreas do direito e da medicina. Mas a verdade é que, atualmente, em todas as profissões estar atualizado é indispensável. O dinheiro é consequência do valor que você gera para o mundo, desse modo se você continuar estagnada no conhecimento, seu dinheiro também vai estagnar.

Aprimore suas habilidades, tanto técnicas quanto comportamentais para que você consiga gerar mais valor e, consequentemente, ganhar mais. Além disso, os profissionais que conseguem prever tendências e se adaptam com facilidade às novas  demandas do mercado  têm maiores possibilidades de fazer mais dinheiro. Se mantenha sempre inquieta, curiosa, alerta, pensativa…

6. Valorizar seu serviço / produto – se você não se valoriza, ninguém vai te valorizar! Se você não acredita estar sendo bem remunerada pelo seu serviço ou produto, talvez o mercado não enxergue valor no que você produz. Nesse caso, ou você melhora a comunicação gerando uma percepção de maior valor ou você precisa gerar mais valor para o mercado.

Marketing não é apenas para empresas ou pessoas que trabalham com vendas. Marketing é para todos, pois todo mundo está vendendo-se o tempo todo. Boa parte dos resultados da sua carreira vão muito além do que você é capaz de fazer, dependem também do que as pessoas ACREDITAM que você é capaz de fazer. 

Algumas pessoas acham isso injusto, mas é impossível valorizar o trabalho de alguém que você não conhece. É impossível você ser reconhecida por um resultado que ninguém sabe. Então, comece a cultivar o hábito de valorizar o seu próprio trabalho, inclusive, se for preciso, utilizar as redes sociais para fazê-lo.

7. Cultivar rede de relacionamentos As grandes oportunidades chegam até nós através das pessoas, elas criam nossa carreira junto com a gente. Então, é importante que você desenvolva as habilidades para se aproximar das pessoas, nutrir relações, ajudar e ser ajudada. Quando digo que é importante se aproximar das pessoas não é apenas por interesse, lembre-se sempre que as relações são uma via de mão dupla. 

É indiscutível que algumas áreas são mais prósperas que outras. Logo, este será um fator que implicará a remuneração do profissional. Pensando nisso, é interessante pesquisar quais são os mercados que estão em expansão e quais são as tendências futuras.

A crise desencadeada pela pandemia da Covid-19 deixou ainda mais evidente a necessidade dos profissionais terem resiliência e capacidade de adaptação às necessidades e demandas do mercado. Sendo assim, é indispensável estar sempre atento e preparado para as mudanças que vem acontecendo no seu mercado e no mundo.