Insegurança no Trabalho: recomendações neurocientíficas para sua carreira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

É normal se sentir insegura, mas de forma intensa e prolongada, a sensação de insegurança no trabalho pode atrapalhar diretamente sua carreira e seu sucesso.

Pensando nisso, vim te contar como a neurociência pode te ajudar a superar suas inseguranças.

1. Qual é a causa raiz da sua insegurança no trabalho?

A insegurança no trabalho nem sempre se apresenta como medo de arriscar, experimentar coisas novas ou da mudança. Ela também se fantasia de perfeccionismo, de preocupação com opiniões ou de desistência depois de começar algo.

Você é perfeccionista?

Por muito tempo essa característica foi considerada muito positiva, pois simbolizava que quem a possuía, provavelmente, desenvolveria um bom trabalho. O que não era percebido é que, assim como todas as características, ela também possui suas desvantagens e a insegurança é a principal delas. 

A causa RAIZ da nossa insegurança no trabalho é a nossa expectativa de ser PERFEITA. Desse modo, qualquer situação que quebre ou, ao menos, possa quebrar essa expectativa de perfeição nos gera o sentimento de insegurança. Se você racionalizar essa expectativa, perceberá que ela é inalcançável e irreal.

2. A insegurança no trabalho rouba seu futuro: exemplos de pessoas que não desistiram, apesar de grandes frustrações

  • A JK Rowling teve o primeiro livro de Harry Potter recusado por 12 editoras.
  • A Oprah Winfrey foi demitida em sua teve sua primeira oportunidade na TV.
  • A Katy perry vendeu apenas 200 cópias do seu primeiro CD e faliu a gravadora.
  • Você ainda acredita que para ter sucesso na carreira NÃO vai passar por nenhum fracasso? Então, preciso contar que você está errada. Não passar por nenhuma frustração significa não se expor a nenhum risco e quem não arrisca não alcança o sucesso. 

Arriscar não significa ser inconsequente ou se jogar de cabeça em um projeto sem pensar. Mas a busca pela perfeição, ou seja, só levar a público um projeto quando você tem certeza que ele dará certo  pode estar custando o SEU sucesso. 

A JK Rowling, a Oprah e a Katy Perry só são o que são hoje porque passaram pelos seus fracassos. As pessoas bem sucedidas não saíram do zero e chegaram às posições que ocupam hoje de uma hora para outra, TODAS elas precisaram trilhar uma trajetória e normalmente desconhecemos essa parte. 

3. Da Zona de Conforto à Zona de Superação: Onde você está nesse processo? 

  • Zona de Estagnação ou de Conforto: 

Na zona de conforto não nos permitimos passar por nenhum tipo de desconforto ou fracasso. Nela conhecemos todos os riscos e sabemos o que fazer quando cada coisa acontece. É um espaço muito “seguro” onde não tem erros, críticas, problemas, decepções, perdas, etc. Em contrapartida, sem grandes possibilidades de crescimento ou realizações.

Apesar de ser conhecida como Zona de Conforto, ela nem sempre é tão confortável, muitas vezes você se sente completamente insatisfeita, mas por conhecer a maioria dos seus riscos você se sente protegida do desconhecido. O risco que a Zona de Conforto apresenta e, na maioria das vezes, não é identificado por quem está nela é o risco de permanecer nesse lugar que está custando o seu sucesso.

  • Zona do Medo

Quando você se permite passar por algum tipo de desconforto, o primeiro contato que você tem é com a emoção do MEDO, pois você deu o primeiro passo para sair da sua zona de conforto

O nosso cérebro é avesso a tudo aquilo que ele desconhece, por esse motivo, sempre que tentamos algo novo gastamos mais energia e nos sentimos mais cansados. Nesse estágio você se permite mudanças, ativa o estado de alerta do seu cérebro e precisa lidar com muitas incertezas, por isso você sente medo. Mas é possível administrar o nosso cérebro e nosso medo em busca daquilo que é melhor para nós.

  • Zona de Aprendizado

Depois do medo temos contato com o aprendizado, este permite que alcancemos a superação. Nesse estágio você já consegue:

    • Encarar desafios
    • Resolver alguns problemas e, à medida que eles são resolvidos, colher feedbacks.
    • Desenvolver-se e aprimorar estratégias

É, então, que você começa a perceber a sua evolução. Comemore SEMPRE que perceber que chegou nesta etapa.

  • Zona da Superação

Nesta etapa você acessa os seus sonhos, conquista seus objetivos, alcança resultados positivos e conquistas.

4. A importância dos microfracassos

Você irá FRACASSAR ao longo desse processo e está tudo bem! Os microfracassos permeiam todas as zonas fora da zona de conforto, pois todas elas possuem algum tipo de risco e possibilidades que você ainda desconhece. Os microfracassos são: erros, críticas, problemas (perrengues), decepções (expectativas frustradas), perdas (dinheiro, tempo, pessoas…), etc.

Mas além de pequenos fracassos, eles são de extrema importancia para sua trajetória e para o seu cérebro, pois estimulam o circuito neuronal necessário para habilidade que estamos desenvolvendo, como bem explicou a Christine Carter. Por isso, quem se expõe mais a erros tende a ter melhores resultados.

5. Dicas práticas para lidar com a insegurança no trabalho

 

  • Errar rápido e aprender rápido

No mundo das Startups é bem comum falarmos no conceito de MVP (Mínimo produto viável) que é a versão mais simples de um produto lançado e que vai sendo aprimorado de acordo com a demanda do usuário e com as possibilidades do seu criador.

Quando eu estava em um evento de Startups ouvi de um mentor à seguinte frase: “Se você NÃO se envergonha da sua primeira entrega, você demorou demais”. Então, para não perder o timing não queira se orgulhar da primeira versão do seu projeto, mas não se esqueça de continuar aprimorando quando possível.

  • Feito é melhor que perfeito 

É preciso ter um EQUILÍBRIO entre qualidade e velocidade. Para isso, é necessário entender que a perfeição é inalcançável e abrir mão da expectativa de fazer algo perfeito. Assim, busque fazer o melhor possível dentro das possibilidade que você tem hoje. Você não precisa entregar tudo na melhor qualidade que você poderia. Sabemos que muitas coisas você poderia fazer melhor, mas nem sempre vale a pena que você leve mais tempo naquela atividade.

A qualidade não é a única medida de um bom trabalho, a velocidade também é uma medida importante e, em alguns casos, mais importante que a qualidade. Muitas oportunidades são perdidas por falta de timing. Abra mão do extremo 100%, 80% também pode ser muito bom. 

Entregar o trabalho perfeito pode ser muito bom, mas também pode significar estagnação, pois você empacou, atrasou, não saiu do lugar por um bom tempo.

Se coloque prazos! A limitação de tempo é o que garante a nossa velocidade para realizar uma tarefa, então  pare de viver apenas em função da qualidade. Nada adianta um trabalho nota 10 que não é entregue.

  • Tudo começa com uma data

Ideias > Rascunhos > Data > Divulgação > Planejamento > Execução > Lançamento

Marque uma data, ela será o guia da sua entrega. Divulgue a data de entrega do seu projeto, estudos comportamentais provaram que o compromisso público nos obriga a cumprir a data de entrega dos nossos projetos e aumentam as chances de colocarmos em prática. 

Após determinar a data da entrega e contar para as pessoas sobre ela, chegou a hora de planejar como você fará o seu projeto e começar a execução.

Como saber se um projeto está pronto? A data da entrega, se ainda não chegou a data da entrega, ainda é possível melhorar, lembra do MVP? 

Não se esqueça! Os Microfracassos estão te levando para à Zona de Superação. 

  • Você não é tão importante

Você pode estar pensando: “O que vão falar se eu lançar um projeto inacabado? Vão achar que eu fiz de qualquer jeito”, etc. Será que as pessoas vão mesmo falar? Preciso te contar que a maioria das pessoas estão muito ocupadas vivendo suas próprias vidas para prestarem atenção na sua. Você não é o centro da vida de ninguém, além da sua.

Mas e se falarem? E se tudo der errado? E se…? Você nunca saberá se não tentar, mas se falarem, o que muda para você? Talvez você esteja ocupada demais aproveitando o seu sucesso para se preocupar com o que estão falando sobre você.

Julgue menos – as pessoas que mais se incomodam com o julgamento dos outros, geralmente, são as pessoas que mais julgam.

Não deixe que a “perfeição” te “proteja” de tudo que os microfracassos podem te proporcionar.