Flow: como ser feliz no trabalho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

O FLOW é um dos conceitos da neurociência que eu mais gosto! Ele é fruto do estudo da Psicologia Positiva e é traduzido como fluidez, fluxo ou zona. Por estar diretamente relacionado com a nossa produtividade, bem estar e felicidade, o FLOW vem ganhando popularidade nos últimos anos.

O que é Flow?

Talvez você nunca tenha ouvido falar disso, mas com toda certeza você já vivenciou esse estado, seja no trabalho ou fora dele. Quem nunca esteve tão entretido em uma conversa que nem percebeu o tempo passar, não é mesmo? Ou estava desenvolvendo um projeto no trabalho que até esqueceu de almoçar? Pois é, isso é o que chamamos de Flow.

Flow corresponde ao estado mental em que uma pessoa fica profundamente envolvida e focada na atividade que está realizando. Desse modo, a pessoa APRECIA a experiência que está vivenciando enquanto ela acontece e, portanto, se concentra exclusivamente no momento presente.

O que nos faz felizes e o que Flow tem a ver com a nossa felicidade?

Segundo Mihaly Csikszentmihaly – criador do conceito de Flow – a felicidade real é alcançada quando unimos o prazer espontâneo e o autocresimento, essa união ele chamou de FLOW.

Então, quando entendemos o que nos leva ao Flow podemos administrar nossas experiências de modo a tentar vivenciar ao máximo esse estado mental e, assim, ter mais momentos de felicidade. 

Existem duas fontes de FELICIDADE: o prazer espontâneo e o autocrescimento. 

  • Prazer espontâneo nos gera satisfação. Por exemplo: assistir séries e filmes, encontrar os amigos, tomar um drink, ler um livro, comer pizza. São atividades que te divertem sem precisar que nada mais aconteça, elas são prazerosas em si.
  • Autocrescimento nos gera desempenho. Por exemplo: estudo, atividades esportivas e artísticas. Os desafios que enfrentamos nessas atividades nos levam a superar limites, geram desenvolvimento, aprendizado e motivação. 

Mas é preciso escolher entre o prazer espontâneo e o autocrescimento? Não! Nenhuma felicidade é maior ou melhor, tanto o prazer espontâneo quanto o autocrescimento nos dão a sensação de felicidade e desempenham importantes papéis nas nossas vidas.

Dedicar muita energia fazendo algo que você não goste, apenas por obrigação, dificilmente te levará ao Flow. Por esse motivo, o autoconhecimento é muito importante. Saber o que você gosta, ou não, de fazer, bem como o que te motiva e desmotiva, te dá a possibilidade de fazer escolhas de vida e carreira para ter mais acesso ao que te faz bem. 

Resumindo, o que REALMENTE nos faz felizes? O Flow, ou seja, a união do prazer espontâneo ao autocrescimento.

Sinais do Flow: descubra se o seu trabalho te permite chegar no Flow

  • Não ver o tempo passar enquanto faz algo. Por exemplo, você estava tão concentrada fazendo um relatório super complexo que seu chefe te pediu que nem percebeu o tempo passar, até perdeu a hora do almoço.
  • Enquanto você está desenvolvendo a atividade você percebe a sua evolução. Por exemplo: você costuma escrever as legendas das publicações das redes sociais da sua empresa, enquanto escrevia algumas delas percebe como aprimorou a sua habilidade nos últimos tempo e essa atividade se tornou muito mais fácil e rápida.
  • Quando você se percebe interessada na atividade e esta te surpreende positivamente. Por exemplo: você precisa realizar uma apresentação dos resultados da empresa na próxima reunião, você não costumava gostar de fazer estas apresentações e não via a hora de ter um estagiário para poder delegar esta atividade, mas essa atividade tem se tornado surpreendentemente prazerosa e você tem descoberto novas possibilidades com ela.

 

Como entrar em Flow?


  • Desafios > Habilidades →  Desenvolva-se

Quando temos desafios maiores que as nossas habilidades, tendemos a entrar em um estado de ansiedade, pois a nossa capacidade é menor do que a exigida pelo desafio. Porém, isso não nos impossibilita de cumprir o desafio com qualidade, apenas precisaremos de um esforço maior para realizá-lo.

Desse modo, quando temos desafios maiores que as nossas habilidades devemos pensar:

  • Quais são as habilidades necessárias a esse desafio que preciso desenvolver?
  • Como posso desenvolver as habilidades necessárias para a realização desse desafio?
  • Como posso lidar melhor com esses desafios?
  • Como posso solucionar essas dificuldades? 
    • Exemplos: Existe alguém na empresa que possua as habilidades necessárias a esse desafio que não tenho e que possa me ajudar? Existe algum curso que posso me inscrever para melhorar nisso? 
  • Habilidades > Desafios → Desafie-se

Por outro lado, quando as nossas habilidades são superiores aos nossos desafios, temos a sentir tédio. O local do tédio é o local da zona de conforto.

Nesse caso, devemos analisar como podemos tornar a atividade mais desafiadora ou pensar como fazer entregas melhores e que ultrapassem nossa zona de conforto.

  • Habilidades = Desafios → Flow

Vivemos o estado de Flow quando conseguimos alcançar o equilíbrio entre as nossas habilidades e os nossos desafios, ou seja, o equilíbrio entre o estado ansioso e o tédio. 

Sendo assim, as estratégias acima recomendadas buscam exatamente esse equilíbrio, pois quando nossos desafios são maiores, buscamos desenvolver nossas habilidades e quando nossas habilidades são maiores devemos nos desafiar.

Nem sempre esse equilíbrio será possível, mas sempre que conseguirmos alcançá-lo teremos uma maior satisfação e desenvolvimento no trabalho e, por consequência, felicidade.

É hora da prática: 

Após ler todo o artigo você ainda está em dúvida se o seu trabalho te leva ao Flow? Vou te explicar como você pode fazer essa análise.

  • Quando foi a última vez que você se sentiu em Flow – seja no trabalho ou fora dele?
  • Quais atividades te colocam em Flow?

Após realizar o mapeamento dos momentos que você alcança o Flow e as atividades que te permitem esse estado, você poderá refletir sobre como levar isso para o seu trabalho.

  • Quais escolhas você deve repensar?
  • Quais novas atitudes você pode tomar? 

E sempre que surgir um novo desafio no trabalho analise se ele é mais ou menos desafiador que suas habilidades e aplique as estratégias do tópico anterior.

 

Sucesso!