Estou desempregada: E agora? O que fazer?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Quando a gente é demitida (eu também já passei por isso… E até a Oprah!) ou sai de um emprego porque já não fazia mais sentido, nos colocamos o rótulo de “desempregada”.

Mas até que ponto essa palavra é ÚTIL? 

É normal se sentir perdida assim que você deixa seu emprego, mas é importante passar dessa fase para o planejamento dos próximos passos – e eu vou te mostrar como. 

1. O rótulo insuficiente

O que isso significa na neurociência? 

A primeira coisa que você precisa compreender é como esse rótulo “desempregada” não é suficiente para que você evolua e volte a crescer na sua carreira. 

Na neurociência o conceito de rótulo é muito interessante. O nosso cérebro classifica tudo – coisas, pessoas, experiências, etc. – de forma automática, sem que tenhamos consciência.  Essa atividade do nosso cérebro nos ajudou a chegar onde estamos hoje, pois ao guardar e classificar tudo que vivenciamos, nos trouxe a possibilidade de fazer previsões sobre as pessoas e situações, podendo, assim, nos proteger de riscos

O problema dessa atividade do cérebro ocorre, pois generalizamos as classificações e acabamos rotulando pessoas e situações por ALGUMAS de suas características. Assim, quando você rotula algo ou alguém, você passa a focar nos comportamentos que reforçam aquele rótulo. Ex: se eu te falo que você é desorganizada, tem grandes chances de eu ficar mais atenta ao seu comportamento para eu achar motivos para continuar te chamando de desorganizada. 

Por mais que tenhamos consciência de que as pessoas não são suas características e que estas são mutáveis, é inevitável que inconscientemente nosso cérebro pense nas pessoas a partir da classificação feita. É segundo a mesma lógica que as pessoas acabam te classificando.

Sendo assim, se vincular ao rótulo de desempregada vai atrapalhar o processo da sua carreira e fazer emergir crenças limitantes

2. Conte sua história 

Desempregada sim, mas construindo seu futuro também!

COMO você conta sua história muda tudo. A forma como você fala sobre o passado e o presente falam muito mais do que suas vivências, ela demonstra sua sua percepção de si mesma, ou seja, suas crenças e sua autoestima profissional.

Inclusive, a forma como você conta a sua história ou fala de você pode fazer toda diferença em uma entrevista de emprego.

Além de desempregada, você é algo mais: aspirante a um novo emprego, aspirante a um cargo público ou uma aspirante a empreendedora.

2.1. Serviço Público

Estou desempregada e estou direcionando todos os meus esforços para ser aprovada em um concurso público. Para isso estou:

  • Tendo uma rotina saudável
  • Fazendo atividade física
  • Tendo momentos de descanso que me beneficiam no estudo
  • Me aproximando de pessoas que vivem esse universo para se manter mais motivada
  • Pesquisando editais
  • Ficando ligada nos calendários e nos assuntos que preciso estudar
  • Estudando
  • Fazendo simulados 
  • Me dedicando ao meu objetivo…

Tudo isso que você tem feito é uma parcela muito mais importante da sua história do que o rótulo de “desempregada”.

2.2. Empreender

Estou desempregada e estou direcionando todos os meus esforços para começar um negócio próprio. Para isso estou:

  • Realizando pesquisa de mercado
  • Aprendendo sobre a técnica do seu negócio
  • Estudando marketing, gestão, atendimento ao cliente e diversos temas relevantes ao negócio
  • Montando um protótipo ou MVP (Mínimo Produto Viável).
  • Montando o plano de negócio
  • Testando serviços…

Tem tanta coisa que é preciso fazer para tirar um negócio do papel que não faz o menor sentido se rotular como desempregada.

2.3. Recolocação

Estou desempregada e estou direcionando todos os meus esforços para me recolocar no mercado. Para isso estou:

  • Atualizando meu currículo e perfil no LinkedIn
  • Aplicando para vagas e fazendo processos seletivos 
  • Escrevendo artigos ou fazendo uma curadoria de conteúdos 
  • Mantendo a minha rede de relacionamentos ativa e conversando com pessoas da área que desejo atuar
  • Buscando formas de demonstrar seus talentos e suas habilidades, investindo em meu Marketing Pessoal
  • Participando de eventos na minha área e me capacitando para o cargo que desejo ocupar

Sempre que essa mentalidade de “desempregada” surgir, se pergunte: qual o objetivo desse pensamento? O que mais eu sou, além de desempregada?

O grande problema surge quando você é uma desempregada que não sabe o que quer. 

Aqui temos um problema grave. Nesse caso, o seu principal objetivo será tomar uma Decisão de Carreira e montar seu Plano de Ação para criar seus objetivos. 

Se você não souber o que busca, você não vai conseguir alcançar. 

Se você já sabe o que você quer, pare de dizer que você é desempregada e comece a falar sobre o que você está buscando.