Crenças limitantes no trabalho: sua mente atrapalha sua carreira?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Não importa se você está satisfeita ou insatisfeita com a sua carreira, se seus resultados estão extraordinários ou medíocres, se sua vida profissional está maravilhosa ou um caos. Suas crenças limitantes são as grandes responsáveis pela sua situação. 

Se alguém disser que TUDO na sua carreira depende de você, fuja dessa pessoa. Isso é mentira!

A economia do país não depende de você, as oportunidades que você teve na infância não dependem de você, o comportamento do seu chefe não depende de você… Existem MUITOS fatores que estão fora do seu controle e te resta administrá-los. 

Mas existem, também, MUITOS fatores que estão dentro do seu controle. O que você tem feito com eles? 

 

Crenças → Comportamentos → Resultados 

Crenças são conexões neurais aprendidas, a partir das nossas experiências, e influenciadas pelas circunstâncias ambientais, pela educação recebida, pelo ambiente familiar, pela cultura, etc.

As crenças se consolidam como verdades absolutas para nós e, por isso, determinam nossa percepção da realidade e nossos comportamentos. Consequentemente, elas determinam nossos resultados.

 

É possível mudar? 

Boa notícia: SIM! Estudos da Neurociência já comprovaram o fenômeno chamado de neuroplasticidade: a capacidade do seu cérebro mudar, criar novas conexões, e se adaptar a cada experiência que você vive. 

Sendo assim, se você se propor a treinar NOVOS pensamentos, vai viver NOVAS experiências e começar a cultivar NOVOS resultados. 

 

Tipos de crenças

  • Limitantes 

Crenças negativas, rígidas e generalizadoras, que limitam seu comportamento. Elas não possuem nenhuma utilidade, por isso, no último tópico deste artigo eu te ensino como identificar e desenvolver suas crenças, para alcançar melhores resultados.

Exemplos de crenças limitantes:

“Na crise, nada dá certo”

“Eu jamais conseguiria”

 

  • Vazia

Também conhecidas como otimismo exagerado ou positividade tóxica. É um “pensamento positivo” sem embasamento da realidade, que não te leva a uma ação concreta.

Exemplos:

“Tudo vai dar certo”

“Eu sou 100% capaz”

 

  • Fortalecedora

Considera a realidade como ela é, mas por uma ótica positiva, com foco solucionador. A crença fortalecedora é como um meio termo entre a crença limitante e a crença vazia. É a autorresponsabilidade em ação!

Exemplos: 

“Eu vou me planejar para que dê certo, e se não der errado vou ter uma segunda estratégia”

“Eu ainda não estou 100% pronta, mas vou começar e me desenvolver na prática”

 

Crenças limitantes comuns na carreira

  • Não sei do que gosto

Como saber se você gosta de impressão 3D se nunca ouviu falar disso? Como se interessar profundamente por História da arte se você desistiu no primeiro livro? Para saber do que gosta, é importante estar com a antena ligada aos mais diversos assuntos e se questionar:

    • Sobre quais assuntos você não cansa de conversar?
    • O que você poderia estudar por muito tempo?
    • Você gostaria de dar uma entrevista sobre o que? 
    • Em quais momentos você perde a noção do tempo?

 

  • Não consigo escolher

 

    • A Marta, jogadora de futebol, não gosta de esporte, ela gosta também de animais e poderia ser veterinária.
    • A JK Rowling, escritora do Harry Potter, não gosta de escrever, ela também gosta de cozinhar e poderia ser confeiteira.
    • A Iza, cantora, não gosta de música, ela também gosta de organizar a casa e poderia ser Personal Organizer. 

Ainda assim, elas foram capazes de escolher uma coisa para se dedicar profissionalmente, e isso foi DETERMINANTE para o sucesso delas. TODO MUNDO precisa fazer escolhas

 

  • Não tenho certeza

Infelizmente, a vida não oferece garantias. Você vai caminhar na sua carreira à medida que desenvolve  OTIMISMO e AUTOCONFIANÇA. O que fazer?

    • Analisar prós e contras.
    • Ouvir a sua intuição.
    • Avaliar os riscos.
    • Planejar estratégias.
    • Dar TUDO de si na execução.
    • Adaptar ao longo do caminho.

 

  • Não sou boa em nada 

Primeiro, impossível. Com certeza, você tem algumas habilidades naturais. Segundo, você não precisa ser PERFEITA em alguma coisa para se considerar apta a trabalhar naquilo.

Quanto mais você se dedicar, mais vai treinar a sua habilidade e se destacar profissionalmente – mas é preciso começar! Pense bem: todo mundo começou do zero. Mais importante do que já ser muito boa em alguma coisa, é estar progredindo.

 

  • Isso é impossível

Nosso cérebro funciona com base no viés da negatividade. Quando você não tem consciência disso, e não orienta seus pensamentos a uma direção mais otimista, você perde todas as oportunidades da sua carreira.

É simples: quem acredita que algo é impossível TENTA MENOS. Por outro lado, quem acredita que algo é possível TENTA MAIS. A determinação só existe para quem confia no processo. 

 

  • Vai dar errado 

Eu gostaria muito de te prometer que todos os seus planos vão dar certo. Infelizmente, eu não consigo fazer isso!

Todas as pessoas de sucesso que você admira assumiram algum nível de risco: elas foram responsáveis, criaram estratégias, se prepararam… Mas, no fim do dia, as coisas podem dar certo ou dar errado. Caso você não se sinta preparada para lidar com as coisas que vão dar errado, assista esse vídeo aqui

 

Avalie a qualidade das suas crenças:

Nossas crenças repercutem nas nossas atitudes que, consequentemente, repercutem nos nossos resultados. Sendo assim, a qualidade das nossas crenças é a MESMA dos nossos resultados. Se você não está satisfeita com os seus resultados, comece mudando as suas crenças e alcançará os resultados que deseja.

As circunstâncias externas influenciam nossos resultados, é verdade, mas elas não são as únicas (nem as mais importantes) responsáveis pelos nossos resultados.

É preciso fazer o esforço de pensar: no cenário que eu tenho hoje, o que está sob a minha responsabilidade e o que eu posso fazer pela minha carreira? SEMPRE terá algo que você possa fazer, ainda que seja uma coisa “pequena”. Muitos estudos comportamentais demonstram que ao assumir essa postura autorresponsável as pessoas são mais felizes. 

O quanto autorresponsável você tem sido com a sua carreira?

 

Mentalidade de sucesso: como desenvolver? 

  • Auto-observação

Observe o seu monólogo interno, ou seja, os pensamentos que estão acontecendo livremente na sua cabeça o tempo todo. Através dessa observação você cria intimidade com a sua mente e percebe quais são os seus pensamentos e com que frequência eles aparecem.

 

  • Registro

Identifique padrões de pensamentos e analise a qualidade desses pensamentos. Você conseguirá perceber, por exemplo, quais pensamentos são mais positivos ou negativos, te proporcionam emoções mais satisfatórias ou mais pesadas.

Nesse momento eu recomendo que você utilize a ferramenta da escrita terapêutica e coloque seus pensamentos no papel.

 

  • Identificação

Desses pensamentos repetitivos, quais não estão sendo úteis a você, sua vida, sua carreira, seu processo? 

Caso você identifique muitas crenças limitantes, identifique aquelas que precisam ser melhoradas com mais urgência, de acordo com aquilo que é prioridade para você. Para realizar essa identificação pense: Quais são as crenças que, se não melhoradas, vão te prejudicar mais?

 

  • Ressignificação

Tenha uma conversa interna com você e argumente com o seu cérebro provando que ele está errado. Para isso busque provas concretas que vão de encontro a sua crença limitante.

Se pergunte:

  • Como que a carreira X não dá dinheiro se outras pessoas conseguiram? 
  • Como que fazer X é impossível se outras pessoas já fizeram?
  • Como eu acho que sou incapaz de fazer X se eu já assumi outros desafios antes?

Você concluirá, portanto, que essas crenças limitantes são apenas opiniões falsas diante de tantas outras que você pode também aprimorar.

 

Prática: Exercício da AÇÃO CONSCIENTE

99% do tempo o seu cérebro age automaticamente de acordo com as crenças que já estão estabelecidas. A partir de agora, você vai se esforçar, INTENCIONALMENTE, para ter atitudes condizentes com o que você quer, e não somente com o seu cérebro automático. 

Da próxima vez que você perceber uma crença limitante em ação, atrapalhando a sua carreira, se pergunte… Se eu não tivesse essa crença limitante, como eu agiria? O que eu posso fazer, APESAR DO QUE meu cérebro está me dizendo? 

Saia da sua zona de conforto e parta para prática, agindo como a profissional que você busca ser.