Como trabalhar com o que ama?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Por muito tempo a frase “trabalhe com o que você ama e nunca mais precisará trabalhar na vida” foi bastante reproduzida e gerou muita frustração… 

Preciso te dizer que essa frase é uma utopia, pois mesmo trabalhando com o que ama, você precisará trabalhar – alguns dias vão ser mais difíceis que outros, algumas tarefas não serão tão animadoras, alguns problemas vão te fazer refletir sobre suas escolhas.

Mas também é verdade que estudos comportamentais já provaram que trabalhar com seus reais interesses aumenta seu nível de dedicação e, consequentemente, as chances de você ter sucesso (além de tornar a sua rotina mais agradável).

Pensando que investimos boa parte do nosso tempo no trabalho, nada melhor do que trabalhar com o que ama para poder ter uma vida mais satisfatória e pagando nossos boletos, né? 

 

1. Identificar seus interesses: do que você gosta? 

Nossos interesses são aqueles assuntos que temos vontade de estudar, conversar, aprender, aprofundar.  

Para identificar seus interesses é indispensável o autoconhecimento profissional. Se faça as perguntas abaixo e liste suas respostas, elas vão te ajudar no processo de autoconhecimento.

  • Quais assuntos você amaria estudar e conversar? Ex: culinária, política, fotografia, meio ambiente, feminismo, astrologia, moda, decoração, etc. 
    • Podem ser assuntos mais amplos, como desenvolvimento sustentável, ou temas específicos, como arquitetura de cidades sustentáveis.
  • Se você pudesse saber TUDO sobre um assunto, qual seria ele? 
  • Quais assuntos você NUNCA cansaria de conversar?
  • Você gosta de ler sobre o que? 
  • Sobre o que você tem curiosidade?
  • Se você fosse se inscrever numa roda de conversa semanalmente com especialistas sobre o que você gostaria de conversar?
  • Se você fosse se inscrever no melhor curso do mundo sobre o que ele seria?
  • Se você pudesse trocar de trabalho com alguém/ um amigo com quem você trocaria? Por que?

 

2. Pesquisar os mercados: onde está o dinheiro?

Independente de qual seja o seu interesse, muitos mercados monetizam  ele, ou seja, existem empresas, negócios, ideias e profissionais trabalhando nesses assuntos!

  • Nesse assunto que me interesse, onde está o dinheiro?
  • Quem trabalha com isso? O que essas pessoas fazem? 
  • Quais são as possibilidades de monetizar esse interesse? 

Uma recomendação é que você faça um mapa mental com as possibilidades de monetização do seu interesse. Por exemplo, se seu interesse for fotografia:


3. Quebrar crenças limitantes: cuidado com seus pensamentos! 

Após identificar seus interesses e investigar o mercado, é muito comum que a sua mente comece a te contar um monte de histórias negativas sobre as possibilidades que você mapeou.

  • “Ninguém consegue ganhar dinheiro como fotógrafo”
  • “Eu nunca vou conseguir um emprego na área de moda”
  • “É impossível ter sucesso financeiro como nutricionista”
  • “Nenhuma empresa de confeitaria dá certo”

Qualquer que seja a crença que sua mente te conte você precisará questioná-la. E a melhor forma para fazer isso é buscando referências de sucesso naquele mercado.

Além disso, é interessante que você investigue o que elas fizeram para alcançar o sucesso. 

Nessas trajetórias você pode encontrar pistas do que funciona para você. Isso não quer dizer que você tem que fazer exatamente as mesmas coisas que a pessoa que você tem como referência.

4. Experimente: não é possível amar sem conhecer! 

Você pode ter um milhão de paixões na sua vida, mas você não vai trabalhar com todas elas. É essencial fazer escolhas

Algumas paixões vão virar hobbies, outras vão ser esquecidas ao longo do tempo e outras farão parte do nosso trabalho. Mas você só vai saber se um hobby poderia realmente virar sua carreira experimentando. Você pode ter a impressão de que gostaria de que um hobby virasse sua carreira, mas descobrir que ele é ótimo apenas como hobby.

Se você conseguir assumir pequenos riscos ao longo da jornada, será muito enriquecedor para o seu processo. 

Por exemplo, você pode fazer um curso na área, pesquisar como é a rotina dos profissionais que exercem a atividade que você pretende exercer, acompanhar o trabalho de um profissional da área, fazer um estágio ou trabalho voluntário, assumir um projeto paralelo, etc. 

5. Julgamento social: até onde a opinião dos outros importa? 

As pessoas têm ambições completamente diferentes. O que significa uma carreira maravilhosa para você pode ser a pior carreira do mundo para outra pessoa.

Peça opinião para poucas pessoas que realmente te conhecem bem e tem informações válidas sobre sua situação. Para todas as outras pessoas, não deixe que as opiniões delas afetem o seu caminho. 

Só você viverá a sua vida e as consequências das suas escolhas. Desse modo, é MUITO importante que você se mantenha fiel às suas ambições.

 

6. Dedicação: aproveite o Ciclo Positivo! 

A paixão não garante seu sucesso, então, o seu interesse tem que ser acompanhado de muita dedicação e muito esforço.

A vantagem é que este é um Ciclo Positivo, logo quanto mais você gosta do que você faz, mais você vai se dedicar e, consequentemente, progredir. A progressão vai te motivar e te fará gostar mais ainda do seu trabalho, reiniciando o ciclo. Faz sentido, né? 

Na etapa da dedicação, é muito importante que você tenha uma estratégia de carreira, para que seu esforço seja direcionado aos seus objetivos profissionais.