Como ser reconhecida no trabalho: 7 estratégias da Neurociência para ser valorizada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Você sente que não é reconhecida no trabalho? Sente que as outras pessoas não valorizam a sua capacidade? Você recebeu um aumento, mas ainda sente falta de feedbacks positivos? Ou então ao contrário: as pessoas te elogiam, mas por alguma razão isso não é suficiente? 

Nesse artigo, vou te mostrar como você pode fazer para que as pessoas relevantes da sua carreira te valorizem da melhor forma. 

  1. Fortalecer as suas crenças de merecimento

Crenças são pensamentos enraizados do seu cérebro, absorvidos através das suas experiências. Tudo que você viu, ouviu ou experimentou.

Elas determinam a sua percepção da realidade e os seus comportamentos, e operam como se fossem verdades absolutas. Para ler mais sobre clica aqui.

Certas experiências podem te levar a acreditar que você de fato não merece ser reconhecida. A partir do momento que você absorve isso como verdade, esse pensamento se transforma em uma crença de não-merecimento. Ou seja, talvez você até busque uma valorização na sua carreira, mas lá no fundo você não acha que merece isso.

Quando você acredita que é merecedora, você trilha um caminho mais propício para ser reconhecida no trabalho. E se você não acredita, provavelmente vai ficar mais quietinha e vai abrir mão de algumas oportunidades. E aí essa profecia vai se concretizar: você de fato não vai ter o reconhecimento, porque não se sentia merecedora.

Todos nós somos merecedores, só precisamos relembrar e tomar consciência disso.

  1. Definir os stakeholders da sua carreira

O segundo tópico está muito relacionado com a característica social do nosso cérebro: nós temos um cérebro social e precisamos agir de acordo com isso.

O que é um “stakeholder“?

Stakeholder é um termo do mundo corporativo que julga as pessoas e instituições que são relevantes para aquela organização. Por exemplo, se eu sou uma empresa de sapatos, os meus stakeholders são: os meus funcionários, os meus clientes, os meus acionistas, os meus fornecedores – essas são pessoas relevantes para a minha empresa.

A sua carreira também tem stakeholders. Quem são as pessoas relevantes para a sua carreira? A sua equipe, o seu chefe, a sua liderança, os acionistas da empresa que você trabalha, os seus colegas de pós-graduação, um professor, um mentor, um colega de trabalho antigo… Olhe para a sua vida e identifique quem são esses stakeholders, quem são as pessoas relevantes e tomadoras de decisão junto com você na sua carreira.

Se você está vivendo a sua vida pensando que a opinião do seu chefe não importa, sinto te dizer mas importa e importa MUITO! Quem busca reconhecimento está em uma via de mão dupla. Para você ser reconhecida no trabalho, você precisa entender o que as pessoas valorizam e o que importa para elas. O que o seu chefe pensa ao seu respeito, a respeito do seu trabalho e das suas entregas importa muito.

Não estou dizendo que você precisa guiar a sua vida pelo que a sua sociedade pensa, não é isso! Mas algumas pessoas são muito relevantes para a sua carreira, e é importante que você se importe com o que elas pensam. Não todo mundo, mas os seus stakeholders.

  1. Saber e aceitar o que é reconhecimento para você

Existem várias formas de ser reconhecida no trabalho:

  • Dinheiro, como um aumento salarial ou um bônus;
  • Fama, o status ou a valorização do que você faz pelas outras pessoas;
  • Premiações, como funcionário do mês, títulos que você ganha por um trabalho que você fez, por um legado que você deixou;
  • Verbal, através de elogios, feedback positivo, reforço positivo do que você está fazendo;
  • Responsabilidade, ter mais responsabilidade atribuída a você, ter mais poder de decisão e de impacto.

Nenhum desses reconhecimentos está certo ou errado. Muitas alunas se sentem mal por buscar um reconhecimento de status, de valorização na sociedade, como se fosse ruim você querer ser famosa ou ter um status legal na sua profissão. Mas não tem nada de errado nisso, principalmente se esse desejo estiver orientado por valores que são essenciais para você.

Por isso é tão importante investir em autoconhecimento. Você precisa identificar e aceitar o que é reconhecimento para você, o que você prioriza. A partir daí você pode montar uma estratégia de carreira que te guie para ser reconhecida no trabalho como você deseja.

  1. Se importar

Quando eu me importo eu tenho uma postura proativa diante do meu trabalho, uma postura solucionadora, uma postura que vai além do mínimo. E quando eu consigo ser uma pessoa proativa no meu trabalho, tenho mais chance de me destacar e ser reconhecida no trabalho.

Para deixar isso bem prático, pense comigo: Digamos que você tenha um cargo de analista pleno e você queira se tornar coordenadora. Como você poderia colocar essa proatividade para jogo? Como você poderia se importar mais? Ao invés de viver exatamente para o cargo que você tem, o ideal é que você viva para o cargo que você quer ter.

Não significa que você vai fazer o trabalho das outras pessoas, ou vai trabalhar longas horas. Mas é você pensar o seguinte: “Como é que uma coordenadora resolveria esse problema?”, “Como uma coordenadora iria agir nessa situação? É como eu estou agindo? Ou será que eu tenho uma postura diferente? Que postura é essa que eu preciso começar a implantar?”.

  1. Praticar inteligência emocional

Você já ouviu falar em “neurônio espelho“?

Neurônio espelho é uma circuitaria do nosso sistema nervoso que nos conecta, mesmo antes de falar uma coisa ou ter uma troca mais direta.

Se eu abrir um grande sorriso para você, automaticamente os seus músculos da face já se enrijeceram como se você também estivesse sorrindo. Talvez você até sorria um pouco, mas com certeza os seus músculos já se prepararam para você sorrir. Da mesma forma que se eu começasse a contar uma história super triste, muito pesada da minha vida, e eu começasse a chorar, você iria sentir também um pouco dessa minha tristeza. Talvez você não chorasse, ou talvez você chorasse, mas o seu corpo estaria preparado para chorar.

Isso é neurônio espelho. É o que nos conecta antes mesmo de falar, é um processo totalmente automático.

Por que estou falando de neurônio espelho?

As pessoas que estão ao seu redor estão sempre espelhando o seu comportamento. Emoções são contagiosas, nós trocamos emoção o tempo todo!

No mercado de trabalho, nas empresas, no cenário profissional… quem tem mais chances de se destacar, abrir espaço e criar oportunidades legais? É a pessoa que está emanando emoções positivas ou negativas? Quem vai ter “sorte” nas oportunidades de trabalho e fazer um contato legal com os outros? É uma pessoa que está praticando mais emoções positivas ou negativas?

O que eu vejo de prática de mercado, e o que todas as pesquisas da psicologia positiva comprovam, é que uma pessoa que sente mais emoções positivas e transparece isso para as pessoas, normalmente têm relações melhores e tem mais “”””sorte””””.

Isso não quer dizer que você não pode ter emoções negativas e nem precisa ser uma pessoa feliz o tempo todo! O importante é que na proporção do seu dia a dia, nas interações do seu trabalho, você consiga administrar as suas emoções e demonstrar as suas emoções positivas.

Mesmo que as outras pessoas não percebam, elas estão absorvendo todas as suas emoções e elas vão considerar aquilo depois nas decisões profissionais que elas tenham.

  1. Se comunicar de forma assertiva

Lembra que eu falei que é muito importante você saber o que é reconhecimento para você? Também é muito importante que o seu chefe saiba o que é reconhecimento para você e o que você espera dele. As suas expectativas precisam estar alinhadas.

Se você hoje tem uma expectativa clara de receber um aumento, vai ser preciso que você negocie isso com a pessoa responsável. Se você quer ter no lugar de 1 cliente, 10, 20 ou 30… você precisa se expor à técnica de negociação. É importante desenvolver esse aspecto da sua comunicação assertiva: a habilidade de negociar.

Negociar é diferente de manipular. Argumentar, persuadir, são formas de você conseguir tomar decisão junto com a outra pessoa. Se você acha que existem motivos para você ser promovida, o seu chefe precisa saber esses motivos. Se você acha que tem motivos para aquele cliente te contratar, aquele cliente precisa saber os motivos que você tem para que ele te contrate. Isso é argumentar. Isso é negociar. É 100% honesto, ético e saudável. 

Mas cuidado para não confundir assertividade com grosseria! Quando você pratica uma comunicação assertiva, você consegue passar a sua mensagem de forma clara.

  1. Fazer o seu marketing pessoal

Tem uma lógica na nossa carreira que é: a gente precisa SER e parecer SER.

Não adianta você ser muito boa no que você faz e não parecer ser. Assim como não adianta você parecer ser muito boa no que você faz e não ser de fato. É uma combinação obrigatória entre ser e parecer ser. 

A gente sabe que você é uma profissional maravilhosa, mas será que os seus potenciais clientes percebem isso? Será que o seu chefe sabe? Será que a sua equipe sabe das suas últimas entregas? Se sim, ótimo! Mostre os seus resultados, encontre momentos intencionais para mostrar os seus resultados. Seja na sua equipe, seja para a sua liderança, seja nas redes sociais, no LinkedIn, não importa. Encontre e crie espaços para mostrar a profissional maravilhosa que você é.

É importante você mostrar a sua capacidade. Não só o que você faz, o jeito que você se apresenta, o jeito que você fala, o que você fala quando não está falando de trabalho. A postura que você tem com os seus colegas e os seus potenciais clientes, tudo isso está mostrando a sua imagem profissional.